23 C
Caraguatatuba
23 Julho 2024

Teatro Mario Covas, em Caraguatatuba, recebe Ópera de Puccini no domingo (17)

Uma das óperas do genial compositor italiano Giacomo Puccini, pouco executada, mas não menos brilhante, é Gianni Schicchi e será apresentada neste domingo (17), em Caraguatatuba, no Teatro Mario Covas, às 17h, pela Cia. Ópera São Paulo, que traz 15 solistas e ainda terá legenda em português.

Esse espetáculo é uma realização do Consulado Geral da Itália em São Paulo, Instituto Italiano di Cultura San Paolo em parceria com a Prefeitura Municipal de Caraguatatuba por meio da Fundação Educacional e Cultural de Caraguatatuba (Fundacc). Os ingressos são gratuitos e devem ser retirados 1h antes do início da ópera.

Para a presidente da Fundacc, Silmara Mattiazzo, receber esse espetáculo, em um momento de reabertura e retomada dos eventos para a cidade e com boa parte da população vacinada é muito grato. “Aos poucos, estamos retomando as atividades culturais de Caraguatatuba e essa obra deve trazer o cônsul da italiana. Foi um presente para Caraguatatuba”.

Obra perfeita

De acordo com os estudiosos desse gênero teatral, do ponto de vista musical, “Gianni Schicchi” é a partitura mais ingênua e espirituosa de Puccini e como obra teatral, esta é uma das mais perfeitas da história das óperas italianas.

“Gianni Schicchi” é uma ópera cômica em apenas um ato, com libreto (livreto/texto) de Giovacchino Forzano, baseado no Canto XXX do Inferno, da Divina Comédia de Dante Alighieri.

Dante Alighieri, o autor da Divina Comédia, colocou os seus inimigos políticos e pessoais no Inferno. Entre os desafetos do poeta estava Gianni Schicchi, cidadão de Florença, que teria falsificado o testamento de Buoso Donati (Dante era casado com Gemma Donati, um membro dessa família), deixando a maior parte dos bens de Buoso para a família Schicchi.

Na ópera de Puccini, essa história se torna uma comédia, onde Buoso Donati morre e deixa em testamento toda sua fortuna para igreja. A família, cobiçando a herança, chama Gianni Schicchi para se passar pelo morto e alterar o testamento. Todos estão cientes de que a pena para esse tipo de crime é o exílio de Florença e o corte da mão direita. Schicchi imita o falecido, dá um golpe em toda a família e deixa os bens mais preciosos para si mesmo.

A apresentação faz parte das comemorações dos 700 anos da morte do escritor Dante Alighieri promovida por uma rede de embaixadas, escritórios consulares e institutos culturais italianos em todo o mundo.